João Dantas antecipa provas de Longboard


João Dantas, um dos mais cotados longboarders nacionais, ex-campeão nacional e europeu e vice-campeão em título, está entusiasmado com o regresso da sua modalidade em outubro, com o Longboard Pro Espinho (10 e 11 de outubro) e o Campeonato Nacional (3 e 4 de outubro), este ano numa prova única, por força das condicionantes impostas pela pandemia.

“É sempre bom ter eventos. Estivemos todos fechados em casa, a cumprir as recomendações das autoridades de saúde e agora é bom ver que as coisas começam a retomar e as pessoas a dinamizar. A vida não pode parar e precisamos seguir com as coisas para a frente”, começa por dizer João Dantas, elogiando a vitalidade e arrojo do surf português: 

Estamos todos a sofrer com a Covid e as suas repercussões nas nossas vidas do dia-a-dia, mas o surf está a ser um exemplo.

As consequências da pandemia também afetaram o Nacional de Longboard, que este ano será disputado numa etapa única, a realizar em São Pedro do Estoril. Também isso é aceite com fair play pelo ex-campeão nacional: “Percebe-se que assim seja. É um ano atípico em que as coisas vão fazer-se apenas para podermos ter campeões, mas não dá para fazer grandes exigências e temos de nos reger todos pelo bom senso.”

Condicionalismos à parte, o longboarder está apostado em melhorar o terceiro lugar do ano passado no Circuito Nacional: “Vou ao Nacional porque quero ganhar, não me passa outra coisa pela cabeça, mas a verdade é que este ano, para mim, as competições estão em segundo plano. É claro que depois o bichinho da competição puxa por nós, ainda por cima na minha praia, em São Pedro.”

Contudo, João Dantas perspetiva um rival de peso para o título: o irmão mais novo, António, de 17 anos. “O meu irmão está em grande forma e vai ser candidato ao título. Está maior que eu!”, explica. 

João confessa que tem surfado pouco por força do trabalho. “Skipper” contratado para um veleiro, o tempo tem sido escasso para surfar e desse, “90 por cento”, diz, tem sido dedicado ao surf com shortboard, pelo que as ambições competitivas para o Longboard Pro Espinho, prova europeia da World Surf League, são de certa forma moderados: 

Vou ao campeonato para fazer bom surf, mas não vou com objetivos concretos na cabeça. Vou com o meu irmão para lhe mostrar como funcionam as coisas na WSL, um pouco diferente do que estamos habituados. Porém, vou tentar o melhor resultado possível.

Entrevista de Carlos Mariano/FPS
Fotos de arquivo pessoal/Rodrigo Calzone

Previous Tyler Wright e Ethan Ewing vitoriosos no regresso do surf profissional ao oceano
Next Mineirinho a prazo no World Tour