Portugal ultrapassa primeiro teste no Mundial ISA


Frederico Morais, Guilherme Ribeiro e Guilherme Fonseca voltaram a competir com sucesso no Mundial ISA da Califórnia, em Huntington Beach, prova que constitui uma das portas de acesso a uma vaga nos Jogos Olímpicos de Paris 2024 e que decorre até ao próximo sábado.

Os três surfistas portugueses conseguiram manter-se todos em prova, embora Guilherme Ribeiro tenha sido arredado para as repescagens após ter cedido, em terceiro lugar, na sua bateria da segunda ronda.

Em condições de mar muito difíceis, com ondas pequenas e muito inconsistentes, o surfista da Costa de Caparica cedeu ao indonésio Ketut Agus e pelo australiano Jackson Baker.

Já na ronda 2 das repescagens Guilherme Ribeiro venceu a sua bateria, superando Che Allan, das Barbados, o suíço Swenn Zaugg e o grego Dimittri Papavassiliou.

Por sua vez, Frederico Morais e Guilherme Fonseca passaram ambos as suas baterias em segundo lugar, mais uma vez, em condições de surf, no mínimo, desafiantes e seguem para a ronda 3 do percurso de qualificação.

“Ultrapassámos o primeiro teste na competição”, afirmou o presidente da Federação Portuguesa de Surf, João Aranha, que lidera a delegação nacional no Mundial, acrescentando que “Temos a perfeita consciência do nível altíssimo da competição e das dificuldades que enfrentamos. O Guilherme teve um percalço, está nas repescagens, mas recuperou muito bem. Sabemos do valor e força mental deste jovem surfista e esperamos que chegue à final.”

Recorde-se que nas provas da International Surfing Association, os surfistas têm dois percursos que dão acesso às finais: o de qualificação ou, caso percam nessa via, as repescagens. Tecnicamente, têm duas “vidas”, só ficando arredados da competição se perderem nas repescagens.

Hoje à noite, é a vez das surfistas femininas se estrearem no Mundial ISA (World Surfing Games 2022), com Teresa Bonvalot, Yolanda Hopkins e Francisca “Kika” Veselko. xxx

Previous África do Sul e Tom Gray dominam Kneeboard World Titles 2022
Next Seleção Nacional mantém “olhos nas finais”