Praia da Arda recebeu XXII Luso Galaico


O XXII Luso Galaico realizou-se este fim de semana na praia da Arda, em Afife, Viana do Castelo. Registou um elevado número de participantes, 95, em sete categorias − Surf Open, Bodyboard Open, Bodyboard Feminino, Longboard, Surf Feminino e, pela primeira vez, Para Surfing e Para Surfing VI.

A capacidade e a experiência organizativa do Surf Clube de Viana (SCV), que teve dois palanques ao longo da prova e voltou a abolir o papel com recurso a uma plataforma on-line, aliadas à Praia da Arda mais uma vez ter dado provas de ser uma das mais consistentes da Europa ao nível de ondas e ainda à qualidade dos competidores presentes, entre os quais os melhores atletas de surfing do Norte de Portugal e da Galiza, foram decisivas para o êxito deste clássico ibérico que somou 49 heats.

A Federación Galega de Surf (FGS) fez-se representar pela Seleção Galega de Bodyboard, composta por nove participantes, sendo um deles atleta e técnico, e por dois atletas com deficiência, que nunca tinham competido. Esta comitiva galega também esteve a estagiar no Centro de Alto Rendimento de Surf de Viana do Castelo.

Elohe Alvarez, em Surf Open, Bruno Martin, em Bodyboard Open, Letícia Cruzeiro, em Bodyboard Feminino, Rúben Silva, em Longboard, Beatriz Costa, em Surf Feminino, Hugo Madruga, em Para Surfing, e Santiago Carvalho, em Para Surfing VI, foram os grandes vencedores da edição 2021 do Luso Galaico (LG).

O objetivo de Elohe Alvarez (foto no topo) era ganhar, e carimbar “uma vitória no surf frente a adversários de nível é muito bom.”

Para o bodyboarder galego Bruno Martin (foto mais abaixo), que, além de ter-se sagrado vice-campeão do mundo no Pro Junior em 2019 na Arda, somou a sua 2ª vitória no LG, “a organização está de parabéns. As condições da praia mais uma vez estavam ótimas. O nível dos atletas era muito alto, mas eu também tinha esperança de ganhar.”

Beatriz Costa na sua terceira participação no LG subiu ao lugar cimeiro do pódio, apesar de nos quartos de final e na meia-final ter ficado em 2º lugar, “estava confiante. Consegui apanhar as ondas certas. O mar colaborou comigo, pois o meu nível de surf e o das minhas adversárias é muito equilibrado.”

Rúben Silva, que entre os muitos títulos que soma em Longboard tem o de Campeão Nacional e que estava sem competir há 4 anos, considera que “é sempre bom regressar. As condições estavam excelentes. Muitos participantes. Desta vez o meu objetivo não era ganhar, mas ganhei. Foi um prazer estar numa final com jovens, o que significa que a modalidade tem um futuro promissor. Parabéns ao SCV por manter a tradição do LG.”

O último evento do Viana Surf City Festival 2021 é o Campeonato Nacional Surf Esperanças, com as categorias Sub 16 Feminino e Sub 18 Feminino, que acontece já no próximo fim de semana. xxx

Surf open
1 Elohe Alvarez
2 Sergio Padin
3 Ian Fernández
4 Filipe Cruz

Surf Feminino
1 Beatriz Costa
2 Raquel Otero
3 Candela Galán
4 Miriam Julião

Bodyboard Open
1 Bruno Martin
2 Brais González
3 Renato Vieira
4 Tiago Ferreira

Bodyboard Feminino
1 Letícia Cruzeiro
2 Francisca Pinto
3 Sara Silva
4 Luana Dourado

Longboard
1 Rúben Silva
2 Luís Silva
3 Tomás Arroja
4 Tomás Bugallo

Para Surfing
1 Hugo Madruga
2 Tomás Freitas
3 Lucas Borges

Para Surfing VI
1 Santiago Carvalho
2 Marta Paço
3 Pablo Magdalena

Fotos: Tó Mané
Previous Kikas faz história no México
Next Yolanda Hopkins repete triunfo na Miss Costa Nova Cup