Títulos nacionais de Masters decididos na Caparica


Justin Mujica, Francisco Rodrigues, Rodrigo Herédia, Francisco Cruz e Mónica Santos sagram-se campeões nacionais de Masters na Costa de Caparica.

Em dois dias de competição houve oportunidade de voltar a ver em ação alguns dos atletas que fazem parte da história e cultura do surf português, muitos deles ex-campeões nacionais tendo sido fundamentais no surf de competição em Portugal ao trilharem o caminho para aquilo que a modalidade é atualmente. Num ambiente de confraternização e competição saudável relembraram-se velhas rivalidades e grandes momentos que ficaram na memória de quem os viveu ou registou.

No domingo, último dia de prova do Caparica Master Classic 2022, marcaram presença ondas bem desafiantes de 1,5m que puseram à prova a capacidade física dos surfistas. 

Na categoria Masters (+35 anos), Davi Neves foi o grande vencedor da final abrindo a sua prestação com uma onda de 7.83 pontos em 10 possíveis na qual desferiu fortes carves numa direita que abriu. Voltou a mostrar uma boa escolha de ondas na onda seguinte onde realizou uma finalização muito crítica elevando a fasquia para o patamar da excelência com 8.67 pontos (melhor onda do evento) terminando a sua prestação com uma pontuação de 16.50 em 20 pontos possíveis (melhor score do evento).

Francisco Rodrigues ficou em 2.º lugar tendo provado a força do mar quando viu a sua prancha partida em dois. O atual presidente da Associação Nacional de Surfistas sagrou-se campeão desta categoria uma vez que Davi Neves não possui nacionalidade portuguesa o que o impede de obter títulos nacionais. Edgar Nozes ficou em 3.º lugar e Francisco Canelas em quarto. 

Em Grand Masters (+40 anos), François Barreto abriu as hostilidades com uma onda de 5.67 pontos assumindo a liderança do heat recebendo a resposta de Justin Mujica com 5.33 pontos. Pablo Ferreira entrou na luta e chegou à liderança momentânea com um par de ondas na casa dos 3 pontos, mas a resposta dos adversários viria a mudar a situação com a segunda melhor onda de Mujica (3.83 pontos) já perto do final a virar o resultado a seu favor garantindo-lhe a vitória e o título da categoria. François Barreto terminou em 2.º, Pablo Ferreira em 3.º e Francisco Morgado em 4.º lugar.

Na final de Kahunas (+45 anos), Francisco Cruz mostrou estar em boa forma dando sequência à boa performance em todo o campeonato onde venceu todos os heats que disputou. Fazendo uso de um surf de backside sólido, abriu a final com uma onda de 5.00 pontos tendo selado a vitória com um back up de 3.77 pontos. Maurício Vieira ficou em 2.º lugar, Pedro Meirelles em 3.º e José Pirujinho em 4.º.

A final de Big Kahunas (+50 anos) juntou dois ex-campeões nacionais Open, Bruno Charneca e Rodrigo Herédia e um ex-pentacampeão nacional de Masters e ex-campeão europeu desta categoria, Pedro “Pirujinho” Couto com Miguel Sanchez. Nos minutos iniciais foi Rodrigo Herédia quem começou melhor com uma onda de 5.83 pontos assumindo a liderança da final. Os seus adversários tentaram destroná-lo da liderança, mas ao juntar um back up de 2.47 o surfista de Carcavelos conquistou o título deixando em 2.º lugar Pedro “Pirujinho” Couto, Bruno Charneca em terceiro e Miguel Sanchez no quarto posto.

Ainda no sábado Mónica Santos sagrou-se campeã nacional depois de ter vencido a final da categoria Masters (+35 anos) tendo-se superiorizado a Patrícia Lopes, que ficou no 2.º lugar, Té Ayala em 3.º e Inês Tralha em 4.º.

“O evento foi um sucesso e é sempre positivo reencontrarmos as velhas glórias do surf nacional que traduziram as suas rivalidades em grandes amizades”, começou por referir o presidente da Associação de Surf da Costa de Caparica, Miguel Gomes. “Tivemos aqui surfistas de várias gerações que vieram de Norte a Sul do país para competir. É muito motivante para a ASCC fazer parte deste evento e estamos orgulhosos por podermos partilhar com a nova geração a experiência destes surfistas que foram pioneiros no surf de competição em Portugal”, salientou.

Resta relembrar que o campeonato homenageou João Alexandre “Dapin”, um dos melhores surfistas portugueses da história do surf que faleceu no ano passado. xxx

Fotografia: Caparica Waves / ASCC
Previous Final emotiva no Ericeira Juniors
Next Teresa Bonvalot no "cut" para a elite mundial